26 fevereiro 2013

trinta e nove mil pés














altitude [atitude]
vôo de cruzeiro...
não se vê mais o próprio corpo
mas uma cidade por inteiro.
movimento sagaz onde se escolhe o nobre
o cobre não vale mais
apenas o ouro de um mineiro.

céu de formatos anis
sideral espaço conquistado em primeiro.
muito se fez pra chegar tão alto
merecida escolha
momento derradeiro.

capacidade de abortar o que achava correto
servir ao que era incerto
que do nada mostrou-se certeiro.
natural andar que de aprisionado impôs-se de lado
ou melhor dizendo:
de fato, corriqueiro.

no ar eternamente não há de ficar
há que se encontrar um lugar
espaço ideal para um pouso ligeiro.
se nesse pousar encontrar um hangar [estaleiro]
deve o ar que passou o passado deixar
sobre um rio navegar seu nobre veleiro.

Um comentário:

  1. Doce, do ponto de vista de quem não teme o manche de grandes aeronaves. :)

    ResponderExcluir